segunda-feira, 25 de abril de 2011

Variações Enigmáticas

Comentei sobre o meu amigo João na ocasião do aniversário dele e fiquei devendo alguns posts sobre peças que eu vi com ele.

A primeira delas é a mais memorável de todas que eu já vi: Variações enigmáticas.

Essa é uma peça francesa escrita por Eric-Emmanuel Schmitt que teve apenas uma montagem no Brasil com tradução e atuação do falecido e brilhante Paulo Autran (a montagem original francesa contava com Alain Delon no papel principal)

Autran era uma dessas instituições do teatro. Carismático, brilhante e produtivo, suas peças eram imperdíveis.

Se não me falha a memória, as três últimas peças em que ele trabalhou foram a inteligente e comovente Visitando o Sr. Green (com um Cássio Scapin em uma de suas melhores atuações), o monólogo Quadrante (reunindo trechos de monólogos escolhidos por Autran) e a supracitada Variações Enigmáticas.

Essa belíssima peça contava com Autran no papel de um recluso escritor vencedor do prêmio Nobel que aceita receber a visita de um jornalista encarnado por Cecil Thiré.

O cenário montando no teatro Faap representava a ilha onde o escritor morava e contava com um piano no palco usado para executar uma música que, com suas variações enigmáticas, nunca revelava sua melodia.

O personagem de Thiré foi atrás do escritor com o pretexto de uma entrevista sobre seu novo livro, uma coletânea de cartas entre dois amantes.

Um verdadeiro duelo de diálogos encanta a platéia que ri com as sacadas inteligentes do velho escritor, sempre se esquivando e destruindo as perguntas do suposto jornalista.

Tudo caminha para um momento tenso onde o jornalista se revela o marido da mulher que se correspondia com escritor e exige explicações do porquê dele ter publicado algo tão íntimo.

O desmoronamento e a desconstrução do mito do gênio recluso segue até a revelação de que a mulher, na realidade, tinha falecido há alguns anos e era o próprio marido traído que continuava a responder as cartas no lugar da esposa, ambos, a distância, preenchendo em segredo uma carência.

Um show de interpretação, de diálogos e sensibilidade culminam no momento em que eles se despedem e Autran, destruído, suplica: Você vai me escrever?

De lá para cá vi muitas peças, nenhuma até hoje superou Variações Enigmáticas na minha lista de preferências.

A peça esteve em cartaz em São Paulo em 2001 e no Rio em 2011.

Um comentário:

  1. Maria Vasconcelos2 de março de 2012 18:13

    Boa noite, vivo em Lisboa e quero muito o texto do teatro Variações Enigmáticas. Já procurei em inúmeras livrarias mas não existe para venda. Pergunto se me sabem dizer como poderei obter a obra. Obrigada.

    ResponderExcluir